sexta-feira, 25 de dezembro de 2020

A EXÓTICA E DESCONTROLADA FESTA DO NATAL

 


Marcos Monteiro

 

O Primeiro Natal foi uma exótica e descontrolada festa e tronou-se a autorização para o nascimento de qualquer criança e de se enxergar nos olhos de qualquer pequenina o olhar do Menino-Deus.

Se Jesus, a criança palestina, em situação muito precária, nas migrações forçadas da vida, em meio a animais, cochos e molambos, nasceu, qualquer criança pode nascer como um grito de humanidade e de esperança de que Deus, mais uma vez, nos encare com um olhar infantil.

O olhar do Deus-Menino assusta palácios e templos, mas enternece estrangeiros suspeitos e faz pastores campestres dançar ao som de música cósmica. Anjos, estrelas, pastores, nômades, profetas idosos invisibilizados, animais, e até uma criança ainda não nascida, exultam com a notícia tão comum e tão incomum.

Nascimento é sempre assim, tão simples e tão denso. Nas periferias da história a humanidade alcança brilho maior e desequilibra injustiças e preconceitos. Em um mundo de desigualdades gritantes, o choro de vida de uma criança pobre faz ressoar o grito de alegria da esperança.

O primeiro Natal é festa alucinada de proscritos em que animais podem participar. As prescrições não controlam os corpos amorosos que produzem crianças nem a alegria desautorizada de futuros que se esboçam.

Celebrado em todos os lugares, de diversos modos, por diversas culturas de diversas religiões, o Natal é oportunidade e convite de dançarmos livremente, com os nossos humanos e animais de estimação,  o cântico da esperança de um mundo muito melhor, de paz abundante, de justiça irretocável e de amor sem medidas.

Recife, 25 de dezembro de 2020.

14 comentários:

  1. Feliz Natal Marcos!
    Obrigada pelo texto denso e reflexivo.

    ResponderExcluir
  2. Pastor, irmão, companheiro Marcos, a sua visão do Natal se assemelha a minha, e me representa. Obrigada mais uma vez por me fazer refletir. Feliz Natal para você, Marcos!

    ResponderExcluir
  3. Eita Marcos que extrato... Todos os anos você é fiel na festa de Jesus. Sempre tirando o sumo deste evento e nos trazendo mais aprendizagem revolucionária. Bela a narrativa e bela sua singeleza. Obrigado. Feliz Natal

    ResponderExcluir
  4. Seus textos são sempre uma inspiração, Marcos. Feliz Natal.

    ResponderExcluir
  5. Belíssimo texto! Muito Amor neste nascimento e por todos os tempos!!!

    ResponderExcluir
  6. Um dia escrevi que Jesus, como Rei dos céus e da terra, nascia para a redenção dos desfavorecidos e para envergonhar a elite, pela capacidade de se fazer gente em meio ao caos que o cercava enquanto nascia.
    Isto é Deus falando através dos fatos, que "Nas periferias da história a humanidade alcança brilho maior e desequilibra injustiças e preconceitos. Em um mundo de desigualdades gritantes, o choro de vida de uma criança pobre faz ressoar o grito de alegria da esperança."
    🙏🙏🙏🙏

    ResponderExcluir
  7. Olá, meu caro Marcos. Muito bom o texto. Inspirativo e motivador. O natal pra mim não é muito bem visto da maneira que é comemorado e/ ou praticado. Não sou afeito a presentes e o consumo desenfreado. Sou mais partidário do cuidar e prover algo aos necessitados, estando assim mais coerente com o que queria o Cristo. Um grande abraço. Espero que possamos nos rever brevemente.

    ResponderExcluir
  8. Boa noite Marcos. Vale apena viver quando lemos e meditemos um texto com tantas espiritualidade, sempre com o foco no pequeno. Abraço irmão.

    ResponderExcluir
  9. Isso mesmo! Natal pra mim é cântico de esperanca de um mundo melhor.
    Feliz Natal Marcos!

    ResponderExcluir
  10. Excelente reflexão, querido amigo Marcos. Ouso acrescentar que: os pais da criança recenascida, o lugar é as circunstâncias em que ocorreu o fato, considerando também a presença dos animais, e toda a efervescência festiva das populações humanas, deixa notório ao mundo todo que a Missão criada por Deus foi cumprida. Até porque, mesmo já tendo se passado tanto tempo, a magia do texto: FELIZ NATAL, cria um sentimento de superação das perdas que dói,dói,dói,do sofrimento pelo que se viu e viveu sem querer, o vazio da tristeza, saudade, desesperança medo do desconhecido do que pode vir a ocorrer, e então a alegria, a vontade de ser, ter, fazer, volta a ocupar os corações e as mentes e desejos. Assim, a pobre criança, nascida dos seus jovens genitores, e seus amiguinhos animais, recomeça a fazer o milagre da renovação da esperança. E todos voltam a dizer um pra o outro a plenos pulmões: FELIZ NATAL!!!
    Amei sua reflexão! Um grande abraço! Feliz Natal!

    ResponderExcluir
  11. querido Marcos, você sendo sábio na reflexão tão apropriada do nascimento da criança menino-Deus. Você diz com profundidade e leveza que “criança pode nascer como um grito de humanidade e de esperança de que Deus, mais uma vez, nos encare com um olhar infantil”. Humanidade e esperança, é isso.

    ResponderExcluir
  12. Marcos, nosso sempre peregrino. Obrigado pela amizade e pela luz que você significa para nós. Que 2021 seja para você como uma noite de Natal. Abração, Artur

    ResponderExcluir