quinta-feira, 12 de outubro de 2017

UM CRISTO À BEIRA DE UM INFARTO

diariodorio.com
Marcos Monteiro

Na noite do dia 02 sofri um infarto e fui submetido a cateterismo e angioplastia. Mudei de indicador estatístico e agora faço parte dos trezentos mil brasileiros que anualmente experimentam esse violento ataque cardíaco; setenta mil morrem e eu sobrevivi. As recomendações de repouso e de evitar esforço e estresse, a gente vai aprendendo pouco a pouco, porque estresse é essa reação indefinida do corpo a pressões cotidianas que caem sobre nós em camadas. O mundo desaba sobre o nosso coração, mas de modo mais ou menos sutil, como uma espécie de mal estar sem causa nenhuma.

Estamos em um momento adoecedor, desses em que parece, burlando o otimismo romântico e adocicado de Paulo Coelho, que todo o universo conspira para a realização de nossos piores pesadelos. Eduardo Galeano é quem nos lembra novamente, na edição de 2010 de seu clássico “As veias abertas da América Latina”,  da editora Paz e Terra, de que “Os sonhos do mercado mundial são os pesadelos dos países que se submetem aos seus caprichos” (p. 7).  Tempos em que a teoria do caos caminha em mão única e um arroto de Trump na Casa Branca é capaz de devastar o coração da floresta amazônica.

E é exatamente o coração do “gigante adormecido” que me preocupa. Desde a colonização, ele vem resistindo a golpes sucessivos e violentos; o sistema cardiovascular que constitui a sociedade brasileira tem sido sangrado em sua saúde mineral e em seu equilíbrio homeostático, de modo que esse caldeamento de sangues com que foi formada tem sido muito mais danoso para alguns, e o coração do índio e do negro resistiram e resistem ainda a inumeráveis ataques, um grito de esperança contra todo tipo de pressão e opressão.

Desse modo, constatar que o “homem cordial” é cada vez mais um cardiopata é bem natural. As estatísticas nos revelam o que já desconfiávamos: o infarto tem cor, idade, sexo, classe e território. Acomete muito mais a mulheres pretas, pobres, idosas e de periferia. Sou idoso, mas branco, classe média, e moro em uma boa casa de um bairro popular, mas também estou incluído, agora.

Esse texto no meu blog tem o objetivo principal de informar a amigas e amigos que ainda não souberam que estou em convalescença cardíaca e que o carinho e a amizade de tantas e tantos têm sido os meus maiores medicamentos. Claro que junto aqui o hábito adquirido de textualizar a vida e de pensar o cotidiano. Cada idoso com a sua mania. Mas realmente me preocupa a saúde do povo brasileiro, das suas instituições e dos seus símbolos. Assim, quero dirigir o meu cuidado maior para o Cristo Redentor.

Ao abrir os braços para abençoar o Brasil, de cima do morro do Corcovado, o Cristo deixou o seu coração exposto e ele tem sido alvejado cotidianamente. Especialmente, por aqueles que vociferam preconceito e ódio em seu nome. Uma denominada “bancada evangélica” tem fomentado e reverberado uma violência sagrada que atinge os mais vulneráveis da sociedade, exatamente aquelas que representam o Cristo e que são acolhidos de um modo especial no seu coração. Uma nova “Irmandade do Coração de Jesus” tem de ser levantada urgente para evitar o infarto do Cristo Redentor.

4 comentários:

  1. Meu querido Marcos monteiro ,fico feliz em saber que esta bem apesar do susto e de ainda esta se recuperando.talvez não se lembre de mim ,sou natalice do psol de Feira de santana ,suas palavras refletiram muito do que tenho sentido e venho falando com as pessoas por onde tenho andado ,infelizmente o mundo ta doente ,a maldade humana esta prevalecendo ,mas ainda bem que ainda existem pessoas como vc nesse mundo,grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembro sim de vc, Natalice. Um grande abraço, muito obrigado e parabéns pelas lutas...

      Excluir
  2. Marcos, feliz por vc e, junto com vc, lamentando a doença no coração da sociedade brasileira, em especial naquela parcela que deveria representar o coração amoroso do Cristo de braços abertos para a humanidade.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir